DESIGN SYSTEMS: FLUIR É O NOVO LEMA ENTRE DESIGNERS E DESENVOLVEDORES GENEXUS

Historicamente, designers e desenvolvedores trabalharam juntos para fazer a mágica acontecer. No entanto, essa interação poderia ser tensa às vezes, pois era um campo minado por diferenças de foco, termos técnicos e interesses. O que aconteceu com essa batalha na era da transformação digital? A resposta é que os dois mundos se reconciliaram! E agora temos um caminho comum chamado Design Systems.

Desde o mundo digital, houve avanço a passos largos no caminho da conciliação entre projeto e desenvolvimento, e é graças a essa atitude de comunhão que hoje as empresas mais inovadoras começam a moldar seu próprio Design System. No momento que a partir de GeneXus percebemos que precisávamos colocar a casa em ordem, descobrimos que várias empresas importantes já haviam começado a seguir esse caminho. Precisávamos resolver 3 grandes problemas: acelerar a interação entre designers e desenvolvedores, obter coerência entre os projetos de nossos próprios aplicativos e sistematizar os componentes que projetamos repetidamente.

Acreditamos que a definição do nosso próprio Design System nos ajudará a tornar tudo mais fácil em termos de consistência, coerência e unificação de estilos, bem como no fluxo de trabalho entre as duas partes: entre quem vê tudo em códigos e funcionalidades, e entre aqueles que vêem tudo em paletas de cores e usabilidade.

Na definição de Alla Kholmatova, o autor do livro Design System, um sistema de design trata sobre:

“Uma coleção de padrões interconectados e práticas compartilhadas, organizada coerentemente, servindo ao propósito de um produto digital”.

A partir desta definição de Kholmatova, em GeneXus estamos nos concentrando em associar o código ao design de acordo com três pilares: Padrões, Princípios e Práticas.

Queremos tornar um sistema focado na experiência de um desenvolvedor GeneXus, estudando e incluindo os melhores padrões de marca, aqueles que fazem a identidade do produto digital GeneXus, ou os padrões de percepção que expressam a marca através da interface e ajudam isso se tornar memorável, dando unidade, mesmo em diferentes plataformas. Também queremos investigar e projetar os padrões funcionais – os blocos de construção – com os quais nossos desenvolvedores interagem, ou seja, os componentes específicos para a necessidade de cada negócio, que permitem a interação do usuário (por exemplo, a linguagem visual do AirBnb é constituída pelos seguintes componentes: Propriedades, Viagens, Classificações, Editoriais, etc). Trabalhar nos padrões funcionais significará um grande avanço na reutilização de componentes puramente visuais com ferramentas que serão familiares aos designers/ front-end e aos desenvolvedores.

Se pensarmos em termos de linguagem visual do meu domínio, elevamos o nível de semântica no design e damos aos nossos negócios termos muito mais próximos. Neste sentido, na versão beta de GeneXusTero (GeneXus 16) foram incorporadas melhorias na definição e criação de componentes de experiência reutilizáveis.

Em nosso curso de investigação, nos deparamos com outra definição, isto é de Nathan Curtis:

“Um Design Systems é composto de uma biblioteca, estilo visual, componentes, etc., documentados e liberados por um indivíduo, uma equipe ou uma comunidade como um código e ferramentas de design de tal forma que os produtos que o adotam sejam mais eficientes e coesos”.

Percebemos que muitas vezes projetamos e desenvolvemos os mesmos componentes para diferentes aplicações e economizaríamos muito tempo se “componetizamos” e, ao mesmo tempo, atingiríamos coerência na identidade da marca.

COMEÇAMOS PELO PRINCÍPIO: QUAIS SÃO OS PRINCÍPIOS QUE DEVEM REFLETIR O NOSSO DESIGN SYSTEM?

Na busca por melhores equipes funcionais cruzadas, nos encontramos investigando e estabelecendo as bases do nosso sistema de design.

Após uma etapa de pesquisa e leitura (recomendo que você leia alguns dos links na caixa 3), uma grande questão foi colocada na equipe: Quais são os princípios que deve refletir nosso Design Systems? Se falamos de um design que deve estar alinhado com a filosofia dE GeneXus, rapidamente chegamos aos conceitos coletivos como: “Simplicidade”, “Agilidade”, “Multiplataforma”. Mas queremos ir mais longe e investigar profundamente os nossos princípios, garantimos que o objetivo do produto é expresso com o design.

Quando respondermos a essa pergunta sobre os princípios, estaremos prontos para perguntar como deve ser nosso sistema de design. Certamente descobriremos que dentro dele há outras questões, como: Quais são as situações com as quais estamos lidando hoje ao projetar e ver os projetos com a equipe de desenvolvimento? Ou Como queremos que seja a experiência GeneXus?

Uma pergunta bem feita leva a uma boa resposta, que por sua vez leva a outra pergunta. E assim por diante! Gostaríamos muito que você se juntasse a nós nesta aventura que está apenas começando em direção ao nosso Design System, que a propósito, pensando exatamente que queremos a participação conjunta neste projeto …já tem nome! 😉 → UNÂNIMO

Mas antes de terminar o post eu vou responder a esta pergunta: O que explica que alguns projetos conseguem mais sucesso do que outros a partir de um UX superior? A resposta é que parte do sucesso é que as equipes de design e desenvolvimento são formadas por excelentes profissionais que conseguem uma boa interação. Mas algo essencial para a mágica do aplicativo é o método e as ferramentas que cada um usa e como eles são integrados em um fluxo de trabalho em comum.

Sketch, Figma, InVision e Invision Studio e Adobe XD; são as ferramentas mais conhecidas que representam o avanço para o design que inclui código

Como deve ser um Design System?

  • Consistente – Coerente: Os componentes são feitos seguindo um padrão previsível.
  • Conteúdo próprio: o sistema de design é tratado como uma unidade independente. Não associado a outro projeto.
  • Reutilizável e escalável: os componentes podem ser reutilizados em diferentes contextos.
  • Acessível: os aplicativos que o utilizam são usados pelo maior número de pessoas possível, independentemente de como acessam a web.
  • Robusto: Não importa o produto ou plataforma em que é aplicado, ele sempre tem que ter bom desempenho.

Links interessantes para aprofundar no Design System

https://www.smashingmagazine.com/design-systems-book/

https://www.designbetter.co/design-systems-handbook

https://medium.com/eightshapes-llc/tagged/design-systems

https://airbnb.design/painting-with-code/

https://www.invisionapp.com/blog/guide-to-design-systems/

http://design.systems/slack/

Leave a Reply

%d bloggers like this: